domingo, agosto 15

...No Rosto...


Ler ao som de Please don't stop the rain - James Morrison

Ele caminhava lentamente pela areia. O vento gelado batendo sem pena no rosto, lançando os cabelos desgrenhados em direções desordenadas. A água gelada batia nos pés descalços, respingando sobre a calça enrolada na altura do tornozelo; o casaco protegia os braços dos 18° que faziam.
Sua mente vagava, a ponto do frio ser um mero detalhe, seu corpo estava naquela praia, sentia aquele vento gelado; sua mente... no dia anterior.


As malas estavam prontas, postas ao lado da porta. eles, de pé um em frente ao outro, olhos fixos, lábios trêmulos e no peito a dor do último adeus.
- Você tem certeza que esta fazendo a escolha certa? - perguntou ele com os olhos suplicantes - ainda esta em tempo de mudar de idéia.
- Nós já discutimos sobre isso, é a oportunidade que eu estava esperando, não posso, e não quero, desperdiçar.
- Eu te amo tanto, tinhamos tantos planos...
- Não! você tinha planos, e sempre esquecia de me incluir neles. Então eu tive que fazer os meus sozinhas... e agora eu estou realizando.
E então ela se foi. Pegou as malas e partiu.

Ele repassou todo o relacionamento enquanto caminhava. O vento ricocheteando sobre a pele como um martelo sobre o peito. Não conseguia distinguir qual dor era a mais intensa, se a dor de perder a mulher que ele tanto amava ou a dor de saber que ela tinha razão... ele não soubera amá-la, infelizmente.

N. Reis

domingo, agosto 8

Essa o vento pode levar...

Postagem diferente.
Hoje não tem texto profundo, hoje não tem conto ou texto reflexivo.
Já visitei blogs que são verdadeiros diários eletronicos, as pessoas postam todos os dias algo que teve de interessante no dia em questão, não gosto de fazer isso, prefiro postar os textos que eu me sinto inspirada, uma reflexão, enfim, algo que leve as pessoas a pensarem ou sofrerem catarse.
Mas preciso que esse blog hoje seja um diário.
Depois de vinte-milhões-de-anos eu resolvi ver o filme Divã, eu sei que ele está quase indo ao ar na sessão da tarde, de tão antigo que é, mas eu nunca quis assisti-lo; baixei, converti, gravei no dvd, emprestei e só agora eu vi.
De fato, o filme é engraçado, divertido e a história é muito bem trabalhada, pudera, escrita pela belissima Martha Medeiros, não poderia ser diferente! O filme tem um roteiro ótimo, e nos leva a pensar em várias coisas.
Personagens muito bem interpretados. A principal, interpretado pela Lília Cabral, estava explendida, uma típica mulher brasileira, quarentona, com o casamento não arruinado, mas já chegando no fim. E o interessante é que o amor que era mantido entre eles, o respeito - uma análise pessoal: acabou mesmo foi a paixão, o tchan da relação - mas fim é sempre fim.
A traição é tratada com duas faces: a do "nada haver" e a do "totalmente contra".
Sexo: ADOIDADO..rsrs mas moderado na tela, sem vulgaridades.
E o principal, o que eu mais gostei: A AMIZADE, tratada como ela realmente é: Com sinceridades, conhecimento, cumplicidade e um amor sem medida. Amei!

Enfim, usei meu blog para outros fins, diferente daquele que ele foi criado. Mas o blog é meu, faço o que quiser!

Essa postagem... ela pode ser lançada no vento! rsrs
Abraços

N. Reis

quarta-feira, agosto 4

Você suportaria?









Por um instante imagine-se sem ele, sem seus olhos, seu sorriso, seus lábios, seu toque, sua companhia.

Por um instante imagine outra com ele, tomando o lugar que é seu.

Por um instante imagine um continente o afastando de você, sem nenhuma garantia que ele vai retornar para você.

Por um instante imagine a morte vindo buscá-lo, e você NUNCA mais o vendo.

Por um instante, só por um instante imagine-se não estar com ele para sempre.

O que seu coração te diz nesse instante? Se é que o seu coração consegue suportar esse instante.

Você suportaria passar seus anos sem a pessoa que reserva para você o olhar mais apaixonado, o beijo mais doce, o carinho mais especial, o coração mais cheio de amor?

Você suportaria viver sem os defeitos mais incompreendidos do mundo e as qualidades mais invejadas?

Olhe no fundo dos olhos dele, e imagine nunca mais tendo esse instante.

VOCÊ SUPORTARIA???

N.Reis