quinta-feira, julho 29

Belas Mãos







Não era ronco, ele apenas ressonava. Há um mês atraz seria cansaço do trabalho, mas não hoje, não nesse último mês turbulento, era cansaço da quimio, dificuldade de respirar. Um mês de tortura para o seu próprio organismo, sua autoestima e nossa relação.
Sua primeira reação foi me mandar embora, não queria que eu passasse por nenhum daqueles momentos. Mas eu não poderia ir, não porque ele estava doente, mas porque eu o amava, mais do que minha própria vida. E vê-lo sofrer daquele jeito me dava forças para lutar mais e mais por ele; pois eu não saberia viver sem ele, eu era egoísta demais para perdê-lo.
Fiquei o observando dormi, todo o seu rosto estava mudado, mais magro, com rugas de expressão que não deveriam estar ali, afinal ele tinha apenas 30 anos. A unica coisa que não havia mudado eram as mãos, ele sempre teve mãos belíssimas; o que ao meu ver era incoerente, pois uma das primeiras coisas que envelheciam eram as mãos, mas as dele estavam tão belas quanto antes.
Beijei lentamente sua testa e ele abriu os olhos.
- Não quis te acordar meu amor.
- Não tem problema... Que horas são?
- Ainda são 7 horas, volte a dormi. - Beijei sua testa e levantei, iria prepara o café, ele tinha horarios corretos para se alimentar e tomar os remédios.
- Aonde você vai? Fique do meu lado um pouco mais...
- Tenho que preparar seu café, não podemos atrasar.
- Não vai atrasar, só venha até aqui, só um pouquinho.
Me deitei ao lado dele, como eu o amava. Ele desenhou meu rosto com as mãos, demorou nos lábios, aproximou o rosto do meu e me beijou com delicadeza.
- Eu amo você, obrigado por não me deixar sozinho.
- Eu jamais te deixaria sozinho, já que te amo tanto.
Nos olhamos por um longo momento. Me levantei e fui preparar o café. Ele voltou a dormi.

Voltei para o quarto, sua mão direita estava sobre o meu travesseiro, seus olhos estavam fechados, sua aparencia era serena, em paz.
Beijei sua mão, antes quente, notei que estava gelada. Ele estava em paz, sem sofrimento.

N. Reis

6 comentários:

  1. Que triste e que lindo! Me fez lembrar a última vez que vi meu avô. Tinha até escrito um texto sobre ele, mas o perdi com o último incidente do blog. Até hoje me lamento por isso, mas o que se há de fazer?

    Muito estranha a sensação que temos quando perdemos alguém que amamos e que sabemos que nunca mais poderemos ver essa pessoa querida novamente. Acho que nessas horas nada que a gente possa dizer ou fazer poderia amenizar a dor, o sofrimento, a tristeza.

    Um beijo e um carinho.

    ResponderExcluir
  2. Acabei de ler, lembrei do seu texto e resolvi voltar.

    "Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar essa pessoa de nossos sonhos e abraçá-la. "C.L

    ResponderExcluir
  3. Ai ai ai... o povo da família que gosta de ir fundo na alma!! muito bom!!!

    ResponderExcluir
  4. Lindo..
    minha amiga sempre muito inteligente ..
    e atenta a coisas boas .. pra mente coraçao
    e pensamentoos... esta lindo o Blog!

    ResponderExcluir
  5. Como sempre suas palavras....são tão belas... espero sempre poder ler o que vc escreve... beijos...

    ResponderExcluir
  6. sua irmã linda fernanda carvalho24 de setembro de 2010 17:43

    adorei irmã vc sempre fala fundo e profundo dentro de nós

    ResponderExcluir

Palavras que o vento NÃO leva...